A arquitetura com contêineres se tornou nas últimas duas décadas uma grande febre mundial. Após ser considerada barata, sustentável, saudável e confortável, alguns construtores começaram a questionar essas certezas.

Sem dúvida existem inúmeros contêineres sem utilização ao redor do mundo. Por ser muito caro retornar a estrutura de aço para o país de fabricação, muitos deles ficam vazios em docas ocupando um grande espaço.

Alguns argumentos no discurso a favor do uso das caixas de aço ainda tem muita força: a durabilidade, a grande disponibilidade do material e o custo ainda são méritos do contêineres. O jeito como eles são produzidos, porém, torna o processo de adaptação de um contêiner para um lugar habitável algo extremamente despendioso.

Na reutilização de contêiner de verdade, é preciso fazer aberturas com ferramentas específicas no aço, o chão precisa ser substituído e toda a estrutura jateada. As tintas utilizadas na fabricação das caixas possuem componentes químicos pesados, como o cromato e o fósforo, que aumentam o tempo de vida de um contêiner no transporte marítimo.

Além das tintas, as superfícies internas são expostas a inseticidas altamente tóxicos, que precisam ser retirados para que a caixa se torne habitável. Isso, combinado com a quantidade de combustíveis fósseis utilizados no transporte de um contêiner contribui significativamente para diminuir a pegada ecológica.

Steve Jones, do blog Tin Can Cabin, que narra a sua trajetória ao construir uma cabine com contêineres, diz que o resultado da sua experiência não foi tão positivo quanto imaginava. Ele começa falando do preço, que se tornou bem maior do que o imaginado.

Outro ponto levantado por Jones é o espaço que a caixa de aço disponibiliza, nem sempre muito confortável. As dificuldades com a instalação dos fios e dos canos e com a aplicação do isolante térmico foram bem maiores do que em uma construção comum.

Veja também:  Hometeka Visita: Serracopo

As fotos que ilustram esse texto são de projetos já postados na Hometeka que usam o contêiner como tecnologia construtiva. A primeira é desse restaurante em um contêiner; as duas seguintes do Sleeping Around, um hotel; e a terceira de um banheiro ecotransportável. Confira

via ArchDaily e Tree Hugger

fotos Divulgação