Marcelo Bilac: Cultura e tradição brasileira materializadas em mobiliário

capa_marcelo-bilac2

Marcelo Bilac começou sua carreira nos anos finais da década de 90, porém, não como designer de mobiliário, mas sim como projetista e designer gráfico. Suas primeiras peças autorais ganharam forma em 2013, e logo no ano seguinte, são expostas na Copa do Mundo, depois nas Olimpíadas (2016), e por fim, ganham destaque na exposição da BRAZIL S/A em Milão, 2017.

Quer descobrir mais? Venha conferir na matéria a seguir! Apresentamos histórias inspiradoras por trás dos estúdios de design, quem são seus criadores e também seus processos de concepção ;)

–  O designer e artista Marcelo Bilac

 

call-to-action_acesse-a-loja_fundo-branco

Sua produção é marcada pelo uso da madeira maciça e do aço, que dialogam entre si num estilo que transita entre o industrial e o contemporâneo. Suas inspirações trazem consigo uma relação clara com a tradição brasileira, seu amor pela música, as histórias familiares e a rica natureza tupiniquim.

Há algo de muito belo na forma com que mescla suas referências e toques pessoais em cada elemento criado. A valorização dos materiais e do processo manual de produção são peças-chaves para compreender seus mobiliários.

Entre suas peças, que compões o acervo da Hometeka, está: a Cadeira Boomerang, a Mesa Íris e o Cabideiro Dezesseis. Role para baixo e conheça um pouco mais sobre a marca ;)

 

O Banco Cavalete nasce dum importante questionamento acerca da posição do design de mobiliário dentro da sustentabilidade e produção consciente. Fazendo uso de madeira advinda de resíduos florestais nativos, e de vergalhão de aço – material comumente achado dentro dos canteiros de obras brasilienses e de todo o país -, Bilac cria uma peça ímpar que traz consigo a preocupação ambiental e um design autoral e arrojado.

Veja também:  Mês do orgulho LGBTQIA+
– o Banco Cavalete e seu processo de manufatura.

 

 

A Mesa Murici traz uma potência poética enorme: a murici é uma das primeiras árvores a brotar no Cerrado após uma longa seca ou queimada, símbolo de renascimento. Tomando essa temática como partido, e fazendo uso de resíduos industriais de madeiras nobres, cria-se uma mesa com diversos elementos fracionados que criam um novo todo, uma série de feixes distintos que conjuntamente formam um tronco reconstituído e deste “brota” uma folha em aço.

– a Mesa Murici e sua produção manual.

 

 

As histórias familiares impactam diretamente na criação da Cadeira Boomerang: a ideia da forma surge em razão do aniversário do filho caçula de Marcelo, que querendo produzir um novo mobiliário para lhe dar de presente, cria a peça, que conta com uma estrutura metálica leve que une os três elementos de marcenaria – com formas homônimas à peça -,  que, por sua vez, recebem o assento e encosto em couro preto. Unem-se nesta, formas ousadas e contemporâneas, e o apreço pela produção manual e suas minúcias.

– a Cadeira Boomerang, sua fabricação e seus detalhes.

 

 

 

Curtiu? Clique e confira mais detalhes das peças do Marcelo Bilac:


call-to-action_acesse-a-loja_fundo-branco

Guido C.

geminiano. estudante de arquitetura. apaixonado por projeto, patrimônio, design e história da arte. leitor assíduo de realismo fantástico. viciado em café e em cinema | guido@hometeka.com.br

Deixe um comentário