Entenda a diferença entre construção convencional e alvenaria estrutural

Construção convencional vs. alvenaria estrutural: qual método é mais barato? Que materiais utilizar? Quais as vantagens de cada um? Para responder a essas dúvidas, a Hometeka preparou um guia completo com custos por m2 e uma tabela comparativa entre os sistemas construtivos.

Construção convencional

Construção convencional

A principal característica da construção convencional é sua função primária de vedação (ou fechamento), separando ambientes e fachadas. O emprego de vigas e pilares moldados por formas de madeira também é grande, sendo este o método construtivo mais utilizado pelos brasileiros.

Para estruturar um projeto desse tipo, é preciso contar com materiais como o concreto armado, que ficou popular durante o período modernista da arquitetura nacional.

Juntas, estrutura e vedação dão diversas possibilidades estéticas a um projeto e deixam as reformas mais flexíveis, embora possam conter vícios construtivos de fora de prumo, nível e esquadro, além de ficarem mais suscetíveis a “gambiarras” e improvisos.

A maioria das construções convencionais também gera bastante entulho devido à quebra de blocos do sistema: as paredes são normalmente erguidas e depois rasgadas para receberem a tubulação – inclusive, esta é sua principal desvantagem econômica e ambiental, calculada em cerca de 20 a 30% de prejuízo em mão de obra e materiais.

Alvenaria estrutural

Alvenaria estrutural

Por outro lado, a alvenaria estrutural, também chamada de alvenaria/parede portante, exige planejamento e profissionais qualificados. Isso acontece porque esse método de construção tem função estrutural em um projeto, e é indispensável para a sua estabilidade.

Funciona como 2 em 1, juntando as funções de estrutura e vedação em um só sistema racionalizado, que utiliza medidas padrões de elementos construtivos, como blocos concretos e cerâmicos, acrescidos de elementos compensadores para uma melhor modulação.

Tudo é previamente organizado para que as peças se encaixem de forma alternada, instalando de forma simultânea todos os sistemas elétricos e hidrossanitários.

Quando devidamente planejada, a alvenaria estrutural deve ser capaz de suportar todas as cargas; a de seu próprio peso, lajes, coberturas. Além disso, é resistente a intempéries externas, como chuvas e ventos.

O método diminui os custos, otimiza o tempo e é frequentemente encontrado em pequenos sobrados. Considerado um dos métodos construtivos mais antigos do mundo, a alvenaria estrutural  vem evoluindo e é capaz de sustentar projetos residenciais de 3 a 20 pavimentos, ambientes comerciais e prédios públicos.

As limitações se aplicam a prédios com muitas fachadas em vidro, portas e janelas muito amplas ou divisórias internas móveis, já que o fator de carregar estrutura + vedação torna a alvenaria estrutural difícil de ser modificada, restringindo a liberdade de reformas e alterações no projeto.

Qualquer mudança deve ser prevista ainda na fase de projeto e bem coordenada na execução, principalmente as amarras com vergas e contravergas, que podem ser feitas com aço e concreto e podem causar rachaduras se não forem feitas nos pontos corretos.

Construção convencional

Construção convencional

Na questão da mão de obra, exige-se mais dos profissionais dedicados à alvenaria estrutural. O projeto ser deve feito por um arquiteto, acompanhado por um calculista e executado por pedreiros muito familiarizados com alvenaria estrutural, que não permite retrabalho.

O custo dos materiais também depende da execução. De primeiro momento, um bloco de alvenaria estrutural custa mais do que um tijolo cerâmico de vedação (convencional). No entanto, a necessidade de quebrar blocos na construção convencional exige mais material, que pode tender a prejuízo quando comparada com a estrutural.

Veja também:  USO Atelier: Experimentações Estéticas com Madeira Multilaminada

Há dúvidas se um tijolo específico – de barro maciço – serve para os dois métodos. Alguns arquitetos afirmam que o material aguenta a carga da função estrutural, fazendo paredes duplas para que o material comporte canos e fios. Já o tijolo de solo-cimento definitivamente não pode ser usado em alvenaria estrutural.

Alvenaria estrutural

Alvenaria estrutural

A Hometeka reproduziu abaixo parte do Manual Técnico da Selecta, que contém uma tabela comparativa entre os dois métodos construtivos.

A tabela tende a priorizar a alvenaria estrutural, mas é um bom comparativo para levar em conta na hora da escolha, junto com os fatores de reforma e amplitude de portas e janelas, mais apropriadas em construções convencionais.

Construção convencional Alvenaria estrutural
Separação entre estrutura e vedação:
– Estrutura: vigas,pilares e lajes em concreto armado com ferragem;
– Vedação: tijolos comuns, blocos cerâmicos vazados.
Maior rendimento da mão de obra para execução de alvenaria. O profissional executa uma maior área quadrada por dia.
Retirada de formas e escoramentos após o mínimo de 21 dias. A maioria das formas é feita dentro das próprias canaletas dos blocos, eliminando formas de madeira e diminuindo a quantidade de aço utilizada.
Para a execução da alvenaria, leva uma quantidade maior de massa de
assentamento.
Para execução de alvenaria, leva menos massa de assentamento, pois a medida do bloco é maior.
São necessárias formas de madeira para pilares e vigas. A obra como um todo é modulada de acordo com o tamanho do bloco, o que diminui o risco de erro de medidas.
As tubulações elétricas e hidráulicas são instaladas após a alvenaria ser
executada, o que leva à necessidade de se cortar as paredes para embutir
a tubulação, o que gera desperdício de materias, mão de obra e maior
quantidade de entulho.
As tubulações elétricas e hidráulicas são instaladas enquanto se levanta a alvenaria, o que gera economia e evita o desperdício de mão de obra e materiais.
Necessita de chapisco interno e externo para execução de reboco. Não necessita de chapisco interno, o que possibilita a aplicação de gesso nas paredes e pintura logo após. Em comparação ao reboco, é uma alternativa mais econômica, pois além dos materiais empregados para o reboco serem mais caros que o gesso, ainda é preciso aplicar massa corrida para se obter o mesmo resultado final.
Porém, nas áreas revestidas com azulejos ou similares, há a necessidade de chapisco.
Tem menor percentual de industrialização/racionalização e maior uso de
mão de obra, o que leva mais tempo.
Revestimentos com baixas espessuras devido ao perfeito esquadrejamento dos blocos e da obra como um todo.
Maior racionalização e industrialização, o que gera maior rendimento da mão de obra, possibilita a programação de gastos em cada etapa e diminui e desperdício.

Ao decidir, lembre-se que toda reforma deve ser acompanhada por um arquiteto ou engenheiro, e isso é mais do que uma recomendação formal, mas uma nova regra da ABNT. Confira o post que explica o assunto.

 

com informações de Casa Abril e Instituto Brasileiro do Desenvolvimento da Arquitetura

Lana Kantor

Padawan entre palavras, heavy user de referências de cultura pop, nem tão sutis tentativas de colocar um pouco de humor e gentileza no mundo. Em constante batalha contra o hábito de ver séries sem parar, começando a partir do próximo episódio. | lana@hometeka.com.br

Comentários

  1. sergio

    24/01/2016

    parabéns pelas informações, com certeza ajuda muito quem está construindo ou pra quem já é da área, obrigado.

    1. Nadine Alves

      25/01/2016

      Olá, Sérgio! Obrigada e que bom que você gostou :)

      Abraço!

  2. Adelrite Santos de Carvalho

    23/02/2016

    Muito bem minha amiga.Seu trabalho é ótimo,sintético,conciso e sem aparas.Adorei e até fiz um resumo do resumo para levar á escola.Estou fazendo um Curso Técnico em Edificacoes e muito me serviu.Parabéns.Obrigado.

  3. marco

    10/04/2016

    gostei muito das informaçoes sobre estruturas

  4. Leo

    26/08/2016

    Apesar de mais barata, mais rápida, mimimi, mimimi, mimimi, fujam da alvenaria estrutural!!!

  5. ze Ivandélio

    09/10/2016

    Muito bom obrigado

  6. 10o Período Turma II Engenharia Civil

    07/11/2016

    quem é o autor desse texto

  7. Enzo

    27/01/2017

    Não entendi o porque

  8. fabiana

    09/03/2017

    porque? se puder dizer sua experiência seria ótimo

  9. paulo cesar

    14/03/2017

    bom dia naldine ,gostaria de saber se vcs fazem orcamento aqui em sao jose dos campos .

  10. LUCAS APARECIDO

    26/04/2017

    Leo, acho interessante você considerar colocar argumentos para “fugir” da alvenaria estrutural. Ficou meio vago e não compreendi o porquê de não utilizar este método construtivo. No aguardo.

  11. claudiomar pinheiro

    30/05/2017

    Na questão de peso, qual a porcentagem a alvenaria estrutural é mais leve?

  12. leôncio

    02/06/2017

    Se é mais barata e mais rápida, por qual motivo fugir da estrutural?

  13. Eng. Maronezi

    07/08/2017

    A alvenaria estrutural apresenta um desempenho tão bom quando estruturas com concreto armado. Ela é muito utilizada em várias regiões do Brasil e apresenta resultados satisfatórios. Mas o problema vem pelo fato da necessidade da mão de obra mais qualificada e um dimensionamento na hora de lançar o projeto mais minucioso. Quando se ignora esses requisitos terá como consequência uma estrutura repleta de problemas e com futuras patologias.

  14. Renam

    19/10/2017

    Tem a necessidade de mão de obra mais qualificada do que a convencional. Tanto na parte de planejamento da obra, quanto para a execução. Fora que, para construções muito grandes, ela já não é mais tão econômica assim.

  15. Carlos Eduardo

    10/12/2017

    O Brasil era para acabar de vez com esses modelos de construção, que são demorados, geram muito entulho e são caros. Poderíamos adotar o sistema Woodframe ou Steelframe como já é adotado em grande parte do sul do Brasil.

  16. Anderson Cipriano

    23/03/2018

    Na minha região, São Bento do Sul/SC, não tem olaria que produza, já fiz contato com outros lugares e não vendem, pra fora da região onde está a olaria produtora.
    Estou tentando fazer calculo de quantidade de tijolo/bloco e não consegui. Acho ótima solução, mais desprovido de informações para calculo comparativo. Gostaria muito de ter informações, principalmente de locais que possam suprir de material caso eu decida fazer a obra com esse tipo de material

  17. Janaina

    10/05/2018

    cadê o valor do m2? perdi??

  18. Ismael Silva

    19/05/2018

    Mão de obra mais qualificada ,portanto,mais cara.

  19. Estudante

    17/10/2018

    Boa tarde! eu não estou entendendo bem sobre a parte de assentamento dos blocos (tanto estrutural, quanto de vedação). Por que no de vedação não é usado a parte dos furos para o assentamento, mas sim a “lateral” do bloco? Assim seria uma forma de economizar na massa, certo? entendo que isso responde minha próxima pergunta, mas não fez muito sentindo você falarem que o estrutural gasta menos massa pro assentamento por ter uma área maior, já que no estrutural a massa é colocada na parte dos furos e tal… Bom, gradeço se alguém responder :)

  20. Lene Felix

    25/03/2019

    Falta de mão de obra especializada, tanto na execução quanto no planejamento projetual. Outro problema é a falta de olarias que produzam este tipo de bloco.

  21. Felipe

    15/07/2019

    Bastante parcial não é verdade ? É praticamente uma propaganda de blocos estruturais , e não um comparativo sincero e imparcial. Pergunte para qualquer pedreiro da vida real se ele trabalha com blocos estruturais ou com o velho e seguro sistema de vigas e colunas !! Um sistema com estrutura independente é flexível e seguro, pois toda a estruturação dele já foi calculada e desenvolvida independente da parede, o que permite ampliá-lo sem grandes dificuldades (ele é modular e ampliável). Já uma construção feita com blocos estruturais impossibilita isso (uma vez feito, não é possível modificá-lo… o que o torna uma escolha não modular e insensata para projetos residenciais individuais). Projetos fixos e específicos talves se beneficiem disso ( o que não parece tão verdade, dado o custo bem mais elevado da mão de obra), mas sinceramente, vivendo na vida real, não consigo ver vantagens nesse produto para pessoas da vida real , talves para empreiteiras de maior porte (até essas costumam fugir de estrutura de parede pois sabem que pode se tornar um grande problema no futuro rs)…

Deixe um comentário

Assine nossa news e ajude quem precisa. De graça.

Ao se cadastrar, você escolhe entre doar, sem custo, 1 dia de capacitação para 
famílias produzirem alimentos ou 1 dia de alfabetização em Pernambuco.

Mudou de ideia? Cancele facilmente (Mas, a gente aposta que você vai adorar)



Logos Hometeka e Ribon